b.e.d.a – Colheita

” No pé de algodão bordaste
o bom dia dos nossos dias
O cheiro a café dos teus lábios entreabertos…
escutando os meus
O céu desabrochando estrelas
entre os nossos dizeres do amor
… e puramente voamos”

Ana Christelo

O dia tem o ataque das abelhas…
Invadiram o espaço do quintal. Atrasou tudo para o encaixe das horas.
Precisei ajudar para conter o mel… era a colheita do dia dentro das flores… cabiam dimensões de céu dentro de mim. Ela escreveu poemas em segredo… enquanto a vida me pede passagem.

Mariana Gouveia
Cadeados Abertos – Diário das Quatro estações
Scenarium plural Editora

*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.



O dia acontece na magia do instante…

O sol rompe a barreira das nuvens e muda a cor da paisagem. Pela poça d’água eu vejo uma lua em forma de rua.
Os pássaros, pequeninos, em seus pulos à procura de qualquer coisa para comer, ciscam enquanto cantam… eu descrevo o dia assim para que saiba o que sinto. É mais uma manhã… mais um dia de sol ardente, mais horas em que a solidão bate e eu chamo seu nome…

Mariana Gouveia
Cadeados Abertos – Diário das Quatro estações
Scenarium plural Editora

*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.

b.e.d.a – mudei a porta de lugar várias vezes.


… uma, para que o vento entrasse… outra, para que ele saísse. Descortinei as vidraças embaçadas! – vi azul e mudei a cor no meu quintal… o sol alaranjou o gris que morava ali.
Vi vidas estranhas passando e risos infantis no vizinho do lado.
Alguém vende frutas na rua.
O menino pede ajuda na lição da escola…
era apenas uma pergunta para a redação.
Vale nota…
Para onde vão os sonhos quando a gente acorda? Como explicar a casa sem portas?
Parei de mudá -las de lugar desde o dia em que saí pela janela…

Mariana Gouveia
Cadeados Abertos – Diário das Quatro estações
Scenarium plural Editora

*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.

* b.e.d.a – A manhã acontece no equilíbrio da asa…

Um avião cruza o céu e o pássaro voa em sua rotina de ninho.
A libélula em seu ritmo de pouso, e eu, na docilidade de sua voz, voo.
Tudo vibra na delicadeza do instante.

Mariana Gouveia
Cadeados Abertos – Diário das Quatro estações
Scenarium plural Editora

*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.

*b.e.d.a – A palavra do dia é suspirar.

O dia não acontece laranja por acaso. Não fosse por causa da cor, seria pela maneira que me traz recordações. As lembranças tomam conta de mim, enquanto o ônibus apressa o dia em seu destino.
A manhã acontece diante dos olhos.
Idiomas diferentes…
Palavras novas…
– Aprendizagem.

O acaso acontece quando a voz do outro lado da linha se encanta pela borboleta…
Céu, suspiro, gozo. É o viver todo dia… a mesma história – de jeito diferente. Com novos tons, sons – novas palavras. O amor a descobrir nos olhos do encanto.

À tarde, a vida acontece em velocidade máxima… o relógio para no instante seguinte. Respiro a tonalidade do céu que se prepara para abraçar a noite.
A palavra do dia é suspirar.

Mariana Gouveia
Cadeados Abertos – Diário das Quatro estações
Scenarium plural Editora

*b.e.d.a — blog every day april — um desafio que surgiu para agitar os dias de abril e agosto nos blogues e comemorar o Blog Day.

Sons íntimos

Você foi entrando em mim
devagarzinho…
ouvi a porta ranger…
ouvi o vento sussurrar e lá foi você tomando proporções de música.
De melodia em mim.
Quase mãos, sonata.
Ouvi murmúrios,  palavras, poesias.
Adágio e sons tão íntimos que o gemer inevitável, você.
Ouvi corpo, e a suavidade do gesto me convidava à dança e eu ouvia passos, os teus.
Era roçar de minhas pernas se misturando às tuas. 
Confundindo-me com teu corpo e o som era de roçar de pele e eu ouvia você.
Poros, arrepios, que em silêncio traduziam desejo.
E eu ouvi tua voz e para mim a risada melodiosa alma em mim.
Ah, por você e se não fosse por você.
Porta abrindo, passos chegando e você entrou em mim, como música.
Eu ainda tenho uma justificação para a sua entrada em mim agora você me inventou

Mariana Gouveia