(Ar)-te

Calvin

É a tua língua que me come.

Teu beijo é tudo o que me consome

 

Como se fosse sólida a minha fome

Como se fosse líquido o meu nome.

 

É a tua boca úmida que me lambe e prova

E meus afrodisíacos urgentemente devoram

Como se desperdiçar-me fosse vil pecado

Como se fosse um erro ter se apaixonado.

 

É a tua alma que me engole e morde

Pedaços inteiros de paixão e arte

Recheando as noites, madrugada e sorte

Derramar-me em ti é escapar da morte.

 

É o teu ar que me respira.

Intoxicante e rarefeito.

Mutações de mim que o teu corpo sabe e toma

Meu tamanho exato é o teu encaixe perfeito.

Já não há mais limites. Já não há mais segredo.

 

Ao teu gosto eu me misturo.

Como tinta aflita em superfície nua

Como tela áspera onde o corpo atua

 

Toma! Farta-te! Minha obra final é tua!

Van Luchiari

*imagem: Calvin – Facebook

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s