devorar-te pela ternura, pelos olhos, e pelos silêncios….

devorar-te pela ternura, pelos olhos, e pelos silêncios....quando a ternura
parece já do seu ofício fatigada, e o sono, a mais incerta barca,
inda demora, quando azuis irrompem
os teus olhos e procuram
nos meus navegação segura, é que eu te falo das palavras
desamparadas e desertas, pelo silêncio fascinadas

Eugénio de Andrade

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s