Abre-te a mim

abre-te a mim

As nossas costas parecem meias-luas
fechadas sobre nós neste momento.
Ouvimo-nos, apoiados um no outro.
Os dois somos aqui vida dupla.

 

No ar aberto, protegemos com as costas
o que roubámos ao mundo,
como se protege o fogo com as mãos,
ausentes, indiferentes,
à comédia.
 
Se é verdade que há uma alma em cada célula,
então abre-te a mim
porque sinto enleadas nos meus poros
as almas que ainda agora te roubei.
 

Andrei Voznessenski
*imagem: Facebook

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s