Pé de vento

Pé de vento

Minha mãe dizia que o vento era leve – como paina que vira travesseiro para os sonhos – e que carregava os medos e os sonhos maus.
Era coisa para se apaixonar esse tal de vento.
Um dia, eu quis aprisioná-lo. Só para mim…Leveza era bom ter guardada para as horas difíceis.
Peguei uma garrafa e coloquei no meu quintal – no meu quintal, tinha um pé de vento – e fiquei horas ali a esperar que o vento entrasse garrafa adentro.
Foi quando minha mãe percebeu minha intenção e disse que vento era para ser livre. Tinha de percorrer lugares, levantar saias das meninas e só assim o vento tinha razão de ser.
Minha mãe, em seu estado de fé, me disse que o vento era o Espírito Santo e quando eu quisesse que ele aparecesse, bastava assoviar.
Era uma mandinga para fazer ventar. E ainda por cima, cultivar a fé na leveza da alma.
tem sido assim meus dias.
Todos os dias, quando acordo, a primeira coisa que faço é ir ao meu pé de vento. Assovio e o dia ganha a magia da leveza, por mais que as coisas aconteçam contrário ao que tenho vontade, quando vejo as folhas dançando ao som do vento, percebo ali uma força maior.
Que ganha imensidão, viaja e chega até a mim como cisco voador.
Nas janelas, os mensageiros do vento diz que é impossível controlar o que é livre e se um dia quiser controlar a liberdade vá ao centro do quintal, assovie e achará o caminho do paraíso.

Mariana Gouveia
*imagem: Karrah Kobus

Anúncios

7 comentários em “Pé de vento

  1. Taí um texto e um paradoxo: é denso e também é leve. Também uma receita de magia para quando se quiser impressionar: é chegar e assoviar e ele vem. Poético.

    Curtido por 1 pessoa

  2. […] Sourced through Scoop.it from: marianameggouveia.wordpress.com […]

    Curtido por 1 pessoa

  3. Lunna Guedes disse:

    Ah, o vento… eu aprendi a fechar os olhos e sentí-lo na pele, a cavar fundo e semear arrepios. Gostava de sentí-lo frio. Com os olhos fechados, eu sabia do inverno a se aproximar. Era tempo de pular das pedras, ser forte, e enfrentar ás águas geladas do mar. Era um ritual de força e sobrevivência. Éramos malucos, comandados pelo vento…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s