Caindo de si mesmo em si mesmo

dscf3418

“Quando olhei no espelho,
você era um abraço dentro de mim.
Ver a gente foi como flagrar monges budistas brincando…
um quase impossível fugir das repetições
de palavras calmas.
Palavras são beijos alegres, amor.
Um carinho fugiu um pouquinho e foi brincar no quintal
cheio de meninos esperando para algazarra. As donas de casa
olharam o barulho pela janela…
só conferindo se tinha filho seu.
Sim… e com asas”.

                                                                                                                                                 Aden Leonardo

Menina Paraíso,

Passei o dia inteiro a desenhar rotas de fuga… pela janela, pelos muros, escadas ou pelo quintal enviesado onde o espaço é pequeno. Descobri que não adiantaria… não conseguiria fugir de mim mesma. Acabo caindo dentro de mim mesma…
Busquei presença em olhos perdidos no céu… alguém traduzia idiomas que não entendi e juro que preferi mil vezes meu diálogo estranho com você – of course – aliás, prefiro sempre os diálogos com você. Ao mesmo tempo que te dou bronca, a bronca vem para mim. Você tem esse jeito de meninaquequerabraçoecomissodáabraçodevolta… tão bom!
O dia, às vezes, começa estranho… Havia frases soltas de autores estranhos que eu nunca havia lido…e a moça do tempo mais uma vez errou a previsão.
Amanheceu amarelas as manhãs de Outubro. Choveu poucas vezes durante a manhã, como se o tempo soubesse que minha sombrinha comprada nos chineses não protege ninguém da chuva. Pelo contrário, faz com que molhamos mais.
O sol inspira a cor sobre os telhados das casas … Sentei no canto escuro do muro.
Ali, escrevi mil vezes poemas pensados em noite de estrelas – quando o pássaro em seu voo noturno era estátua da sombra –  e a moça do tempo vai errar outra vez a previsão de amanhã. É outra estação dentro de mim.
Escrevi em casulos o dialeto das asas. Era voo para tudo quanto é canto.
Existiam várias estações dentro de uma. Deve ser o efeito borboleta a desenhar erupções ao toque. Era eu caindo no abismo de mim. Como pode as coisas mudar de um dia para o outro? Como pode o que ontem ter tanta importância e hoje já nem fazer sentido? Apesar dos pontos de interrogações, não são perguntas. É quase uma afirmação essa mudança dos dias, das coisas.
Hoje não vi o pássaro colorido. Nem aquele que bem me vê todo dia. Hoje, vi a árvore do vizinho, que já está secando cheia de aves. Todas em seu canto agudo a desenhar minha rotina.
Há esse contrair da pele dentro do azul. Azul também é o céu e sua gentileza de cores dentro da hora… A luz a azular os galhos entre as falas das aves. É um marulhar de vento azul no quintal onde os peixes voam feito pássaros de qualquer cor – é que vejo peixe em tudo quanto é canto –  a solidão tem esse retrato pintado de azul desbotado na parede com estuque descascado. Fiz isso ainda menina – me lembro – chovia e eu não podia correr lá fora com as borboletas. Minha mãe não permitia dançar na chuva – nem nada era possível para uma menina que teve dificuldades no parto e conversava com os bichos – aliás, não permitia quase nada que não estivesse sob o olhar atento do meu irmão. Como raramente ele abria a boca – a não ser para contestar minhas loucuras << de tocar os bichos >> eu falava com os grilos, os animais e dizia que eu era só. Que sofria de solidão. Ao que minha mãe respondia que a solidão era uma parede sem quadros, retratos, cortinas ou qualquer coisa que a enfeitasse e que eu era uma parede cheinha de fotos de irmãos e enumerava um a um, lado a lado antes da janela com cortina feita de retalhos coloridos que ela fazia. A janela era eu – ela dizia – trazia sol na parede toda. E lá ia eu em dia de chuva a descascar o estuque e depois pintar de companhia a minha parede vazia.
Você é essa cor misturada de vida junto com a minha e que eu queria moldar e te direcionar para o caminho livre da liberdade. Você é esse estuque que sustenta minha cor azul. Eu digo azul, mas pode ser qualquer cor. Pode ser o verde que você avista quando o trem apita aí da sua janela. Pode ser o vermelho da sua blusa quentinha de ginástica e pode ser a cor da sua meia listrada e suas cores em movimentos. Não. Péra. A meia tinha Barney e seu destino infantil de desenho animado. Pode ser qualquer cor desse cerrado denso que corta as montanhas do seu lugar.
Montanha acima, serra abaixo…estradinha de Minas em direção ao Paraíso: Tu.

Beijo meu

Mariana Gouveia

Esse post é parte integrante do projeto ‘missivas de primavera’, que conta também com os autores:

Adriana Aneli: http://www.adrianaanelicosta.com/
Lunna Guedes: http://catarinavoltouaescrever.wordpress.com/
Chris Herrmann: http://www.christinaherrmann.com/
Tatiana Kielbermann: https://meusabismosfaceis.wordpress.com/
Manogon Manoel Gonçalves: http://coisasdemanogon.blogspot.com/
Emerson Braga: http://embusteiroviajante.jimdo.com/
Ingrid Morandian: http://www.facebook.com/ingrid.morandian/


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s