2 – Uma das minhas gavetas está cheia de pretéritos

 

2 - Uma das minhas gavetas está cheia de pretéritos.jpg

 Bambina mia,

… enquanto te escrevo mio menino arranca as ervas daninhas no quintal – tenho de ficar de olho para que ele não leve entre elas algumas ervas que são remédios e que curam… Outras são folhas para o chá e que ele não sabe quais são – é uma espécie de vigia entre a palavra ” essa não… é poejo”… e o grito “Nãããooo! É alfavaca!”
Abril hoje é presente aqui – mesmo – com sua ventania quase frio.
Trovejou aqui e você veio pelo meu chamado. Choveu e agora está aquele ventomeiopingomeiofrio que adoro. As cortinas dançam com isso e acho esse balé a coisa mais linda. As folhas do pé de algodão caem com esse sopro e arrastam no quintal como se chamassem atenção para a cena.
O vento é quase uma carícia na pele e recebo ele de olho fechado e alma aberta – de vez em quando danço com ele… vou para o meio do quintal e abro os braços enquanto ele levanta meu vestido – o pássaro de todo dia ronda meu lugar… chama atenção no varal de roupa com sua miudez e chilreio… ainda não descobri como se chama o canto do beija-flor. Será que é floreio?
Hoje é aquele dia comprido que demora a passar. Trago nele tantas lembranças da infância. As histórias de meu pai e o mistério de uma data que todos vivem sem viver de fato o verdadeiro sentido dela. Confesso que por força de algo maior que não consigo definir sigo alguns rituais que meu pai seguia. Digo no tempo passado porque é algo que marcou minha vida – acho que sou a única dos irmãos que ainda faz isso –  e pela primeira vez em muitos anos não vou seguir a procissão que começa lá em cima, na avenida. Já ouço o canto pelo microfone . Alguns rituais precisam ser rompidos. Alguma coisa vai mudando com o tempo ou são as pessoas que vão se tornando estranhas aos meus olhos e já não me sinto necessária em alguns lugares.
A vida tão cheia de verbos e frases feitas. Datas singulares que abrem a gaveta de minha memória tão cheia de pretéritos que sobram para fora algumas peças extras que tento decifrar ainda.  Coloco o envelope laranja junto com os outros. Aspiro o cheiro de palavras que se juntam e aceito seu convite. Dou-te a mão e vou contigo pelas suas calçadas e ruas.
Abraço-te e rio na sintonia da resposta  que sai ao mesmo tempo que a pergunta chega…
 Bacio,
Mariana Gouveia
Projeto Missivas de Abril
Scenarium Plural Editora
Anúncios

9 comentários em “2 – Uma das minhas gavetas está cheia de pretéritos

  1. Maria de sa disse:

    “Alguma coisa vai mudando com o tempo ou são as pessoas que vão se tornando estranhas aos meus olhos e já não me sinto necessária em alguns lugares. A vida tão cheia de verbos e frases feitas. Datas singulares que abrem a gaveta de minha memória tão cheia de pretéritos que sobram para fora algumas peças extras que tento decifrar ainda.”….Belo momento de escrita -obrigada Amiga Maria

    Curtido por 2 pessoas

  2. mariel disse:

    Espero que tenhas muitas, muitas gavetas.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Lunna Guedes disse:

    Li várias vezes a sua missiva, ‘desde que chegou’ ontem e sempre dou risada diante da cena do quintal e sua fala de cuidado junto as suas ervas. Me fez lembrar um senhor que conheci que todo final de tarde arrancava as tais daninhas. E as pessoas queriam saber o motivo daquele ritual particular. Eu só gostava de apreciar. Não queria saber o motivo. rs

    bacio carissima

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s