158. da geografia das coisas

158. da geografia das coisas.jpg

Estendeu as mãos perdidas nas flores…
Desvendou o caminho da floresta na volta para casa.
Namorou verdadeiramente a lua.
Cabia onde aquele verbo que voava?
Continha onde a asa num grito?
Os medos bobos foram jogados pelos caminhos.
Alguém leu a noticia da sorte em um livro. Buscou o bilhete do realejo que tirou na infância.
O trevo marcava o coração dos bichos…
Pulou sete ondas imaginárias. Desejou a sorte de um amor tranquilo.
Viveu até onde a vida respirou saudade.

Mariana Gouveia
158. da geografia das coisas
Anúncios

2 comentários em “158. da geografia das coisas

  1. Lunna Guedes disse:

    E eu fiquei cá a observar o mar e a suspirar vontades.
    Segue a vida, próxima página. rs

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s