191. da autonomia dos voos

 

Era um vento na janela e não era ficção.
A lua, pendente –  quase um rasgo no céu – cheguei a imaginar que fosse o vento a brincar com ela.
Tão certa de seu poder sobre escorpião rompeu as marés…
Fez o cabelo diminuir – o pai avisou para respeitar a fase – e secou o pé de pimenta rosa. Mas fez com que os brincos de princesa floriram todos de uma vez só.
Quase uma afronta, o vento, a balançar as flores em seu vaso…
E ela, lá, vigilante diurna desse vento atrevido vindo do sul e faz com seu perfume incomode mais dentro das minhas lembranças, do que a lua, tão senhora de si e caminhante no céu.
Quase um delírio a ave em seu verbo de voo a inspirar poemas de amor quando pousa em posição contrária ao vento.

Mariana Gouveia
191. da autonomia dos voos
Anúncios

2 comentários em “191. da autonomia dos voos

  1. Às vezes lua, outras pássaros, mas sempre vento. E assim ela entra, por todos os cantos das memórias!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s