203. da autonomia dos voos

 

às vezes, a vida é esse momento com céu de brigadeiro.
Em outros, a tempestade faz com que você seja um bom piloto.

 

Filho,

Lembra-se quando eu brincava com você de voar?
Meus braços te erguiam e te levava ao céu – como você dizia – e eu lembrava da frase de algum poema que dizia:
O céu, é o limite…

E quando me perguntava sobre o limite eu repetia o que meu pai me dizia quando eu ainda era menina:
Limite é quando chega a mudança da estação. Uma não pode roubar os dias da outra.
É esse limite que a gente mastiga todo dia. Um dia querendo roubar as hora do outro dia. O verbo rasgando dentro de outra palavra. A dureza da vida roubando de nós a alegria em algum momento. A liberdade, sendo colhida dentro de alguma regra. Algum “não pode”.
Eu sempre disse que podia.

Para mim, a liberdade tem a ver com o céu – ou com o mar que nunca vi – e aquele azul imenso e que presenciei no meu primeiro voo de avião.

Você era o menino do meu quintal. Aquele que sempre adorou a velocidade, os voos e a rebeldia do signo. Você sempre foi o sol do meu quintal. Aquele quintal onde desenhamos uma pista de fórmula Um para você voar.
E você voou. Seguiu a profissão do céu e dos voos e tem toda autonomia deles.

Hoje, não é um dia comum. É o 203 dia dos 365 dias do ano e é especial porque você nasceu nele.  E eu te ofereço essa Lua minguante entrando em seu céu particular e que desenha sombras no teu quintal, que já não é mais só meu e que é quase uma floresta em teu exagero de reclamar.

O céu é estrelado aqui e te ofereço esse céu como forma de abraço e quero dizer que depois de você eu fiquei completa e finquei raiz como as plantas que teimam em alastrar por aqui.

O sonho revolve o mundo e dentro de cada sonho seu cabe minha oração de certeza. E como tudo que voa precisa de pouso, eu quero ser o lugar onde você pousa. Para a segurança na hora certa e para segurar a mão quando for difícil.

Eu te ofereço voos. Os inteiros. Os quebrados. Os que ainda nem foram detalhados em toda essência de amar. Porque te amo de um modo único e real. Daquele que nenhuma poesia pode explicar.

Que todos os momentos seus sejam de aprendizados, conquistas e um céu de brigadeiro para voar.

 

Feliz Tudo!

Te amo,

Mariana Gouveia
203. da autonomia dos voos

 

 

Anúncios

2 comentários em “203. da autonomia dos voos

  1. Parabéns e que seja uma linda vida, sempre!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s