207. da autonomia dos voos

 

Para sempre é muito tempo para quem não tem tempo.
No corredor, a cortina foi trocada por persianas por sugestão do vento que veio do sudoeste.
A esperança trazia a sorte na mão. As asas tinham a dimensão exata da dor.
Os vidros das janelas dos casarões da esquina foram quebradas além do muro.Sentiu saudades da chuva. O céu anda tão estável. A mão é esse abandono de toque. A vida, parada, sem diagnóstico e endoidava com a tarefa simples de viver.

Mariana Gouveia
207. da autonomia dos voos
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s