314. das fragilidades secretas

Por iluminância, a dor

nos dias em que se arrastam as correntes das horas.
O eco das sementes germinando em pólen e a cor
nos muros em dias de sol e noites sem lua
as outras coisas inventadas em um jardim de delírios no quintal sem árvores.

Mariana Gouveia
314. das fragilidades secretas
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s