318. das fragilidades secretas

” No fundo talvez seja só isso. Essa vontade de ser eterno dentro”.
Shala Andirá

Ela entrou na gaiola.

Não havia grades, nem nada.

Ela procurou dimensões para onde podia ir
Vagou entre a certeza do chover e do sentir

Ela sentiu.

Vibrou como se asas tivesse e desenhou no tempo o riso dela.

Também chegou a aspirar o perfume da poesia.

Tinha outra textura, outro cheiro.

A parede solta abria-se para um horizonte que era cantado numa música distante.

Um pouso, um latido, um vento.

Tempestades.

Líquidos.

E ela sabia que havia chuva.

Parou as asas. Ficou em silêncio e viveu esse momento quase santo.

Nem era tarde nem nada e a vida me vestia de efeitos.

Quase em alto relevo eu podia desenhar curvas, ancas, pernas.

Pensou ter ouvido o som do gozo dela. Chegou a ouvir. Podia jurar que ouvira o gozo de quem ganhara liberdade.

Era de seda, sentiu assim que tocou a carne.

A alquimia do verbo é voar.

Não importa que horas eram.

Se de tarde, manhã ou noite de estrelas.

Nesse lugar dela, lá fora pode ser qualquer hora.

 

Mariana Gouveia
318. das fragilidades secretas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s