325. das fragilidades secretas

 

Já te contei que invento a rua de cima?
Que o silêncio quando ecoa, faz um barulho ensurdecedor?
Na rua de cima tem as meninas que cuidam da beleza. Coloca nos dedos, a cor. Tem cada nome o verniz que a moça de cabelos vermelhos desenha na unha.
É quase uma tentativa de colar jardim nas mãos.
A árvore que fica além da esquina, floresce. Lá, de noite, eu consigo ver as estrelas todas.
É quase vertical, o portal. Os muros altos e as trepadeiras invadem as casas com suas cores insanas.
Essa rua, inventei em detalhes.
As casas e suas cores vibrantes cheia se sons. E a vida acontece dentro dessa invenção.
A estação acontece dentro das horas.
As fotografias do instante sobre o muro. O voo dos pássaros a cruzar a linha imaginária que invento entre uma rua e outra.
Tudo ímpar. Os números da rua a combinar com as casas. A sorte desenhada nos trevos e a alma inventada na rua do nada.

Mariana Gouveia
325. das fragilidades secretas

7 comentários em “325. das fragilidades secretas

  1. Você escreve tão bem 😍

    Curtir

  2. Obrigada Mariana 😊
    Fique a vontade para me visitar quando quiser também 💖

    Curtido por 1 pessoa

  3. ♡Recitos disse:

    Lindo, lindo!!!S2

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.