tempo de parir silêncios

In & Yan Art*imagem: Kiyo Murakami

no escuro da noite
todo sentido
devaneia

madrugada
asa é partir

tempo de parir
silêncios

[ave maria cheia de abismos].

Dan Cezar

Anúncios

Vento

Vento.jpg

Cá fora à luz sem véu do dia duro
Sem os espelhos vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo

Por isso com teus gestos me vestiste
E aprendi a viver em pleno vento

Sophia de Mello Breyner Andresen
*imagem: Kiyo Murakami

Havia estrelas em seu olhar

Kiyo murakami (2)
*imagem: Kyio Murakami

Havia estrelas em seu olhar.
Olhava sob os olhos, não com humildade, mas com obstinação e a soberania dos anjos.
De queixo erguido, como quem discursa publicamente,
em seu quarto, sozinha, não avistava sequer o teto; via o universo.

Alexandre Pedro

Espectros

kiyo murakami 2*imagem: Kiyo Murakami

Até os
pássaros de dentro
Voam alto em
Fria atmosfera.
ramificam suas penas
não temem o frio
Eu ainda
me debato
Quando ato meus
medos
Plastifico
sentimentos
Meus pássaros de plástico
não morrem.

Elke Lubitz

Nem todo o corpo é carne…

Kiyo Murakami

 Não, nem todo.

Que dizer do pescoço, às vezes mármore,

às vezes linho, lago, tronco de árvore,

nuvem, ou ave, ao tacto sempre pouco…?

.

 

E o ventre, inconsistente como o lodo?…

E o morno gradeamento dos teus braços?

Não, meu amor… Nem todo o corpo é carne:

é também água, terra, vento, fogo…

É sobretudo sombra à despedida;

onda de pedra em cada reencontro;

no parque da memória o fugidio

.

 

vulto da Primavera em pleno Outono…

Nem só de carne é feito este presídio,

pois no teu corpo existe o mundo todo!

 

David Mourão Ferreira

*imagem: Kiyo Murakami