Luís Felipe Parrado · Marta Orlowska

Não sou capaz de estranhas paixões…

e amo, como muitos, o vento forte
que agita a roupa estendida nas cordas,
as bicicletas ferrugentas
de pneus furados
esquecidas em garagens e arrecadações,
a água fresca que mata a sede
ao mais miserável dos homens.
Mas se, como outros, amo os dias de intensa luz
e o descuido dos pássaros no ar,
ninguém ama como eu
as estrias do teu ventre,
a primeira casa de dois filhos.
de todas as coisas prodigiosas que conheço
são elas o que mais se parece
com os rasgos abertos por um arado
na terra crua deste mundo.

Luís Filipe Parrado
*imagem: Marta Orlowska

Kha Tembe · Marta Orlowska

a minha casa é pequenina.

a minha casa é pequenina.

tão pequenina que cheira a concha e basta um sopro teu para as paredes ficarem húmidas de paraíso.
a casa é o privilégio dos ninhos: o nosso corpo aconchegado sem vazios. sem mundo. sem frios.
e tem cães também pequeninos. e um chão azul. ando descalça e sinto que há lábios nos meus pés a lamberem cada pedacinho de silêncio. cada pequeno fruto do silêncio.
sim, no telhado tem uma canoa. é bom, ao entardecer, ir passear nas águas do sol.
moro aqui e nunca gostei de casas grandes.

Kha Tembe
*imagem: Marta Orlowska

Marta Orlowska · Raul Drewnick

Open

Aberto

Fechar a loja, para que o amor, se um dia vier, tenha como resposta isto, de um vizinho:
“Loja? Olhe, eu moro aqui há dez anos e não me lembro de ter visto uma.
Morava aqui um sujeito estranho, que dizem ter virado fantasma.

Raul Drewnick
*imagem: Marta Orlowska

Edgardo Xavier · Marta Orlowska

Veste-me a seda

Marta Orlowska 8

das tuas mãos
serenas
Veste-me a roupa quente da tua pele
e aperta-me com o cinto dos teus braços
no lugar onde o meio traz cansaços
Evita que na ausência de ti gele

Recorta-me
em pequenos pedaços
Ata-me em laços
e guarda-me no coração
antes de saíres para o mundo
e bater no fundo
da traição que te apetece

Edgardo Xavier
*imagem: Marta Orlowska

 

Aden Leonardo · Marta Orlowska

Levei minha casa para a montanha…


Levei minha casa para a montanha.

Virou flor.
Nem sabia, nem fiz seguro, perdi tudo…
quanto mais perto do céu, mais risco de florir, mais essência se transforma…
por isso há flores no caminho.
Pedacinhos esfarrapados de quem sobrou…
por aqui.

Aden Leonardo
*imagem: Marta Orlowska

Mariana Gouveia · Marta Orlowska

Ave, flor!

Ave, flor.jpg
Desenha em todo lugar
lembranças que ela deixou.
Um farelo de pão sobre a mesa serve para criar corações nas rotinas.
Uma linha que o pano de chão deixou, traz a inicial dela.
escreve ela em todo lugar.
Desenha corações nos muros.
Escreve o nome dela nas janelas dos ônibus
por onde vai a leva, dentro, fora, além.
Vê a vida com os olhos dela.
Vê ela dentro dos olhos
e ri quando imagina fantasias que ela
diria,
teria.
Vontades surgem e o respirar é ela.
Dentro, funda. Imensa. Aqui.
Coleciono pétala no olhar. Invoco o nome dela como prece.
Bem a quero. Eu bem quis.
Ave,flor!

Mariana Gouveia
*imagem: Marta Orlowska

Eliana Mora · Marta Orlowska

Poeira de estrelas

Marta Orlowska2*imagem: Marta Orlowska

 

salpicada no teu rosto,
desenha céu particular
[nos olhos meus]

Eliana Mora

Claudia Costa · Marta Orlowska

Sonhei você…

Marta Orlwska*imagem: Marta Orlwska

e acordei saudade.

.

Claudia Costa