Não quero me reter nas impossibilidades,

Não quero me reter nas impossibilidades,

 

Moro nas noites vazias,
Frias,
Fartas de si mesmas,
Mais do que bastantes,
Sombrias…
Quero deslizar-me viajante,
Na perversa habilidade escura,
Nua,
Crua,
De viver possibilidades vadias…

 

Sibila De Andrade
*imagem: Gonzalo Villar

Amor deveria ter vários nomes

amor-deveria-ter-varios-nomes

Não é só uma palavra
Linha tênue entre outros sentimentos
Um traço curvo, convexo
Um esboço de nós
Não cabe numa só definição
É algo que brota, cresce
Cria raiz e fica
No coração, no sexo, na paixão
É sintonia de desejos
Um compartilhar de sedes
Um dar-se de nós
É doação de sangue,
De órgãos, de medula…
Não se encaixa em medos
É brincar de ser segredo
Ter fetiches no viver
Libido em estar vivo
Volúpia no amar…

Sibila De Andrade

 *imagem: Schatz Ornstein

Transborda em mim a vontade de voar

Transborda em mim a vontade de voar

E ser a brisa da noite
A estrela que nasce do caos,
O caminho de poeira cósmica
No azul índigo do espaço.
Como mulher viajante
Planarsem gravidade,
Sem medo, sem planos,
Sem vontades de voltar.
Quero ir parar no céu
Driblando meus infernos,
Enganando meus pecados
No abraço de um só anjo.
Sibila De Andrade
*imagem: Stephen Carrol

à terceira dimensão do olhar…

à terceira dimensão do olhar...

Meus olhos parecem saltar da face ao olharem o belo. Parece que algo me salta, também, da alma.
Alguma coisa de que amo, de quem amo me traz à tona, à terceira dimensão do olhar…

Sibila De Andrade

*imagem: Tumblr

Que tempos são esses que estamos vivendo?

Amélia Fletcher 1
Tempos que me tiram de ti,
Nos quais tento vislumbrar no fundo do binóculo,
Nas lentes das minhas expectativas,
Algo de novo, algo de bom…
Alguma coisa de nosso que parece distante.
Mas,tem tempo e espaço demais entre nós!
Talvez use um telescópio…
Talvez observando o espaço eu descubra
Que os anos-luz serão nossos…

Sibila De Andrade

*fotografia: Amanda Fletcher