Flor

Frederike berger

A tua roupa interior
tem como tecido
a minha pele

 

Gonçalo Salvado
*imagem: Frederike Berger

Anúncios

Abstinência

abstinência*imagem: Tumblr
.

Virei alcóolatra
bebi tua falta
tua ausência

Bebi essa vontade absurda de você

e agora sofro de abstinência
todo dia invado os jardins
como pétalas
arranco as flores
vago entre os canteiros

busco vestígios de você
e na loucura absurda das horas e da falta

tenho alucinações de que você está aqui
na minha boca
e eu bebo você.

Mariana Gouveia

Levei minha casa para a montanha…

01Levei minha casa para a montanha.*imagem: Marta Orlowska

Virou flor.
Nem sabia, nem fiz seguro, perdi tudo…
quanto mais perto do céu, mais risco de florir, mais essência se transforma…
por isso há flores no caminho.
Pedacinhos esfarrapados de quem sobrou…
por aqui.

Aden Leonardo

CARTAS PARA ABRIL |aceita um café?

Das minhas cartas…

Scenarium livros artesanais

Por Mariana Gouveia


Meu caro Borges

Daqui do quarto de um hospital — o mesmo em que meu filho nasceu — enquanto espero que a enfermeira ajeite meu irmão na cama. Estranho como as coisas se alternam… ainda ontem, ele era o meu guardião, nas colinas aonde a visão do capim dourado da planície abaixo de nós — quadro de um pintor.

Ali, descobri que ele pintava palavras e desenhava poemas de amor nos caderninhos que sobravam. Ele abria mãos das folhas brancas para eu preenchê-las com minhas letras.

O quarto dá para a janela onde histórias acontecem dentro de mim… a Lua é esse quadrante pendente para o poente, em vírgula; e um Planeta qualquer intrometido em sua luz difusa em forma de estrela. Hoje perdi a noção do céu… não sei se é Marte ou outro planeta qualquer, em dimensão de astro.

Tive momentos de picos de intensidades…

Ver o post original 520 mais palavras

Cheiro de lua

Cheiro de lua


Não era cheiro de mato
nem de alecrim no jardim

Cheirava a céu
de estrelas – eu pensei

Mas confesso que errei
Uma nuvem se acentua
e eis que assim, despida
toda nua

Senti o cheiro da Lua.

Mariana Gouveia
*imagem: Tumblr

CARTAS PARA ABRIL |Ana, que tal um café?

Scenarium livros artesanais

Por Mariana Gouveia


Oi, Ana

Começo a te re-escrever na madrugada. Sinto que o vento traz o cheiro de café de algum vizinho madrugador. Coloco a água para aquecer em um ritual antigo — já que fiz a burrada de, em um momento de distração, jogar o suporte da cápsula da cafeteira fora — enquanto preparo o coador para então saborear o café a me acordar de vez.

Enquanto sigo até o ponto de ônibus, vou criando notas mentais do que gostaria de te dizer. Quase crio uma canção ao repetir as palavras para não esquecer.

Continuo na segunda parada… onde aguardo pelo outro ônibus e mais uma vez o cheiro do café chama a atenção. O vendedor de bolos de arroz me serve com a delicadeza de todo dia. O sabor do bolo típico daqui me leva à infância. Minha mãe usava a latinha de sardinha como fôrma para…

Ver o post original 227 mais palavras