Lado B

Jenny Terasaki*imagem: Jenny Terassaki

 

Onde você dorme…
no lado B da vida, fiquei esperando.
Onde?
Quem sabe mora um dia na certeza e acorde. Sol maior.

 

Aden Leonardo

Anúncios

Como dizer que este amor não morre ?

Mil vezes olhei essa porta, por ti desejei
chegar a terra, perder um grito onde ninguém
ouvisse. E quando íamos falando de tudo
só isso proibia calar o amor. Algumas vezes 
não sabes as coisas que mais guardo.

Hélder Moura Pereira
*Imagem: Tumblr

Inquilina

Inquilina
Foi me visitar,
como se fosse casa…
asa,
foi em mim: voar como
se árvore fosse,
moradia
Foi como se eu fosse chuva.
Água.

E como se eu fosse sede
me bebeu…
– e na imensidão do mundo, eu,
peregrina


Foi me visitar,
como se eu fosse jardim
aí, de mim!

Uma inquilina mora em mim.

Mariana Gouveia

És

És
És a asa secreta do meu voo
o pouso que aconchega minha alma

a calma que contorna minha paz.

a solidão que acompanha meu espaço.
És.

Não sei se é ninho
se é vento
miragem nos olhos que te alcança.
És

Corpo que habita a essência
e a esperança livre das manhãs.
Junto de ti, o espaço infinito de voar.

Mariana Gouveia.

O vidro revela sua aparência de ave.

O vidro revela sua aparência de ave.

As histórias se repetem no instante. Era ontem e eu ouvi uma igual.
Um homem me olha através do óculos
O diagnóstico de cura abre o riso da moça. Ela me olha com olho de abraço.
Já não há mais medo no gesto.
O elevador a leva mais leve.
Um pássaro canta na janela. O vidro revela sua aparência de ave.
Vozes ecoam entre os andares. E era dia de silêncio e não havia conexão.
Me distraí com confusões mentais. A chuva tinha cheiro de jardim.
E eu era só espera

Mariana Gouveia

6 on 6 – J.u.n.h.o

 

Ah, junho! Desde pequena aprendi a viver seus sabores,

Suas cores e seus dias…
Logo no primeiro dia do mês, a vida do pai sendo reverenciada e o amor ali, renascendo nos dias que se seguem. Tudo é jeito de mãe a fazer gostosuras com o milho.

O frio, no aquecer improvisado  nos casacos desbotados e as festas de seus santos revivendo tradições… é como se repetisse em mim, nas memórias as bandeirinhas e os balões a dançarem com a lua… As festas onde os primos se encontravam para as lembranças todas.

As lanternas chinesas trazendo cheiros nos quintais, lembrando o santo casamenteiro, as simpatias e a fogueira acalentando nossos corações.

 

É logo ali, seus dias passam rapidor e o sol a aquecer as manhãs frias enquanto no cerrado, os ipês recriam mais um ciclo da natureza.

E na devoção do pai, a reza,
e a ave em comunhão com o tempo.
Junho é esse desaviso na folhinha quando o calendário marca a lógica de amar.

Mariana Gouveia
Projeto 6 on 6 – Editora Scenarium Plural

Participam desse Projeto:

Lunna GuedesMaria Vitoria |Obdulio Nunes Ortega