Que tempos são esses que estamos vivendo?

Amélia Fletcher 1

Tempos que me tiram de ti,
Nos quais tento vislumbrar no fundo do binóculo,
Nas lentes das minhas expectativas,
Algo de novo, algo de bom…
Alguma coisa de nosso que parece distante.
Mas,tem tempo e espaço demais entre nós!
Talvez use um telescópio…
Talvez observando o espaço eu descubra
Que os anos-luz serão nossos…

Sibila De Andrade
*fotografia: Amanda Fletcher

Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos
Mas eu te possuirei mais que ninguém porque poderei partir
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Vinicius de Moraes
*imagem: Michael Färber

Tenho sempre no meu caderno…

Anotações breves de beijos que demos,
e de abraços que eram inícios de fins.
Universos estendidos por cima de um ventre.
Entretanto cheira a Inverno sem sol
e as árvores cessaram.
Mistura-se a pele com o desfecho,
de uma noite no limiar das arestas infinitas
dos teus braços.

Ana
http://sensacaodemundo.blogspot.com.br/
*imagem: Anna O.