163. da geografia das coisas

Acontecia o dia do amor. A gente sempre acontece na rotina das coisas. Havia recado estampado em tudo. O céu estampado em cores suaves.
Uma canção repetida ao limite e o riso ecoando coragem antes da viagem.
Cabia qualquer amor em declaração ardente. O nome da flor declamado em versos.
A palavra do dia esparramada no gesto. O eu te amo dito em alta voz e o rodopio lembrando asas em voos.

Mariana Gouveia
163. da geografia das coisas

Sem saber o porquê

caminhou até onde o sol batia, deu três toques na madeira e a alisou suavemente, sentindo uma parte quente e outra fria. Naquele instante percebeu que não era diferente da casa, seu coração inflamava ou gelava, conforme o calor que recebia.

Joaquim Antonio

115. dos dias aleatórios de Abril

115. dos dias aleatórios de Abril.JPG
Conhecia o ritual das flores…

O ritmo em que elas cresciam no quintal
Era ali, entre o canto do muro e a leveza do vento.
O mapa feito de pulsar e orações…
Ave, flor!
Bendita seja a semente que possui um jardim inteiro…
Brota coração em tudo que flor.
O corpo presente em nuances distintas e havia o homem que acreditava nos milagres.
Ave, dor!
Do outono, líquido o orvalho, a paisagem quase furta cor…
Ave cor!
E há palavras que vira esperança
mas isso era antes de eu amar…
Ave, amor!

Mariana Gouveia
115. dos dias aleatórios de Abril

96. dos dias aleatórios de Abril

O boletim do dia relata o mistério. Havia dor em qualquer grito. O unicórnio na parede lembra o desenho da minha infância. Cartazes pediam silêncio onde ninguém se mexia. Rascunhos rasgados de cartas que nem foram escritas.

O cheiro do verniz limita distância. A moça de branco procura a veia e agita o frasco onde purpurinas flutuam na alma.

A menina ri diante do mapa. Conhece o portal da imaginação. O relicário pendurado no peito. Sentia as asas do pássaro como se fosse dela. Via coração em tudo que é flor…

Fechava os olhos e cantava coragem.

A vida, esse doar incessante de dor.

Mariana Gouveia

96. dos dias aleatórios de Abril

“todo teu amor é só esse?”

teu amor é só esse.jpg

Se conseguíssemos puxar o coração pela garganta e colocá-lo em cima da mesa, ou da cama, diriam ou “ai que nojo” ou perguntariam: “todo teu amor é só esse?”

Raul Drewnick
*imagem: Tumblr

40. das palavras das cartas

pudesse-eu-ser-tu

A moça de coração na roupa me cede lugar no ônibus. Passo em frente a lugares onde fui presença.

Relembro da história do filme. Faço anotações para a carta que escrevo mentalmente. Os corredores ficaram mais cinza hoje. A menina do beijo rosa se foi. Deixou um coração riscado em uma folha com meu nome. Nas mãos dela tudo virava corações. A voz se perde dentro da viela em frente a igreja. Como dar cor para uma mulher ausente de fé?

As mãos aceitaram o toque… o corpo agradeceu o abraço.

Em alguns dias o aconchego vem com o silêncio da alma.

Mariana Gouveia
40. das palavras das cartas