Decoração

francesca wodman*imagem: Francesca Wodman

Desculpe-me,
Este
Espelho
Não
Combina
Comigo.

 

Elke Lubitz

Anúncios

a minha casa é pequenina.

a minha casa é pequenina.

tão pequenina que cheira a concha e basta um sopro teu para as paredes ficarem húmidas de paraíso.
a casa é o privilégio dos ninhos: o nosso corpo aconchegado sem vazios. sem mundo. sem frios.
e tem cães também pequeninos. e um chão azul. ando descalça e sinto que há lábios nos meus pés a lamberem cada pedacinho de silêncio. cada pequeno fruto do silêncio.
sim, no telhado tem uma canoa. é bom, ao entardecer, ir passear nas águas do sol.
moro aqui e nunca gostei de casas grandes.

Kha Tembe
*imagem: Marta Orlowska

 

Nada parcial me agrada.

Gosto de incompletudes integrais, pois sofro de claustrofobia a céu aberto. Não bebo meio copo de água, tenho sede de um corpo e meio – e que seja completo. Não me encanta a solitária folha que baila sozinha em direção ao chão; tenho apreço pelo Outono – me excita a queda livre – das temperaturas.
Não gosto de poucas nuvens, o que a mim comove são tempestades.

Alexandre Pedro
*imagem: Pinterest 

Open

Aberto

Fechar a loja, para que o amor, se um dia vier, tenha como resposta isto, de um vizinho:
“Loja? Olhe, eu moro aqui há dez anos e não me lembro de ter visto uma.
Morava aqui um sujeito estranho, que dizem ter virado fantasma.

Raul Drewnick
*imagem: Marta Orlowska

 

me toque assim…

Me toque assim...

*imagem: True Love 

 

 

Me toque assim
em voo rasante
como a chuva
que se aproxima
o vento entre
as dobras da chuva
abrindo as janelas
do sótãoMe toque assim
a ponta dos dedos
tirando a poeira
de tantos séculos
de luz mortiça

Me toque assim
como o último pássaro
do mundo
engole o sol
e adormece no mar

Me toque debaixo da pele
ali onde dormem
gerânios esquecidos
onde o sangue é mais
leve
e as lembranças
fazem cem vezes
o mesmo caminho.

Roseana Murray

Espectros

kiyo murakami 2

 

Até os
pássaros de dentro
Voam alto em
Fria atmosfera.
ramificam suas penas
não temem o frio
Eu ainda
me debato
Quando ato meus
medos
Plastifico
sentimentos
Meus pássaros de plástico
não morrem.

Elke Lubitz
*imagem: Kiyo Murakami