Que tempos são esses que estamos vivendo?

Amélia Fletcher 1

Tempos que me tiram de ti,
Nos quais tento vislumbrar no fundo do binóculo,
Nas lentes das minhas expectativas,
Algo de novo, algo de bom…
Alguma coisa de nosso que parece distante.
Mas,tem tempo e espaço demais entre nós!
Talvez use um telescópio…
Talvez observando o espaço eu descubra
Que os anos-luz serão nossos…

Sibila De Andrade
*fotografia: Amanda Fletcher

Não sou capaz de estranhas paixões…

e amo, como muitos, o vento forte
que agita a roupa estendida nas cordas,
as bicicletas ferrugentas
de pneus furados
esquecidas em garagens e arrecadações,
a água fresca que mata a sede
ao mais miserável dos homens.
Mas se, como outros, amo os dias de intensa luz
e o descuido dos pássaros no ar,
ninguém ama como eu
as estrias do teu ventre,
a primeira casa de dois filhos.
de todas as coisas prodigiosas que conheço
são elas o que mais se parece
com os rasgos abertos por um arado
na terra crua deste mundo.

Luís Filipe Parrado
*imagem: Marta Orlowska

Do desejo

Colada à tua boca a minha desordem.
O meu vasto querer.
O incompossível se fazendo ordem.
Colada à tua boca, mas descomedida
Árdua
Construtor de ilusões examino-te sôfrega
Como se fosses morrer colado à minha boca.
Como se fosse nascer
E tu fosses o dia magnânimo
Eu te sorvo extremada à luz do amanhecer.

Hilda Hilst
*imagem: Mira Nedyalkova