Labirinto

Kim Kyung-hoon

*

Perco-me na
Tentativa e erro
No percurso
Dos teus rumos
Teus becos sem saída
Minha ruína

Esse sem-fim
De compartimentos
Passagens
Muros e divisões

As curvas
E sulcos
Do teu cérebro
Que me espantam
E desorientam

O coração
Já não me serve mais
De bússola
Em meio
À taquicardia
E opressão
Retroesternal

Me encontras
Me apalpas
Me beijas
E sussurras
Ao meu ouvido
“Não desista
De mim”

Caio ao chão
Mais uma vez
Sozinha
No colo
O inútil
Novelo de linha

E refaço
A promessa vã
De nunca mais
Sonhar contigo

Arlete Franco
*fotografia: Kim Kyung-hoon

Anúncios

Recebe meu poema como um beijo

Recebe meu poema como um beijo*imagem: Gaëna da Sylva

Deixa que te afague a sua cadência
Entrega-te aos meus versos como lábios
Sente o seu ritmo indo à tua procura

Ouve o meu poema como um beijo
que se cala loucamente…
Enquanto o lábio pousa em tua vida.
As rimas abraçam-se cativas…

Pensa em meu poema como um beijo
Que se despe lentamente
Rompendo os teus ritmos
E as palavras molham-se lascivas

Assim te toco, amor, com as palavras…
Como um sopro brando que incendeia
Feche teus olhos enquanto ele te enlaça
E beija o meu poema em tua leitura

Lilia Chaves

A propósito das coisas que não têm o mínimo propósito

A propósito das coisas que não têm o mínimo propósito*imagem: Kamil Vojnar

 

o sol não cabe na gaveta das meias
as palavras que sussurramos porque a música estava demasiado alta
também não
no entanto
foi nessa gaveta que pensei quando pensei em ti ao escrever-te no poema
ao ver-te chegar
ao ver-te partir sem partir
gigante na despedida que não aconteceu
e assim ficaste
a fermentar no lado de dentro dos meus olhos jardim interior para ideias sublimes plantadas à mão
hoje
é sempre hoje
abri-te a porta para este lado de cá
ou de lá não importa
já cá estavas
só não sabias.

 

Francisco Sousa Hill

Estudo sobre Distâncias

Estudo sobre Distâncias

I

Descanso seu nome
em meus lábios

assim, beijo-o.

II

Enlaço meu decote
aos botões da sua ausência

assim, abrigo-me.

III

Deste corpo, pouso
Deste abraço, ninho.

Karinne Santiago
*imagem: Mira Nedyalkova