Vestido de flores

vestido de flores

vestido de flores
menina sonha
perfumes voam

Ydeo Oga

Anúncios

Carta à bambina aos cuidados do amor

Carta à bambina aos cuidados do amor .jpg

Bambina mia,

Aqui o dia amanheceu nublado e esse tempo me faz lembrar você.
Na madrugada, trovejou. O céu parecia festa de ano novo. Os raios lembravam os rojões e os trovões, os fogos. Confesso que detesto fogos e rojões – por causa dos cães – mas, hoje, foi essa impressão que tive. E ocorreu-me o pensamento de que o céu fazia festa para você.
Pareceu Maio e seus trovões que você ama tanto e quando o dia clareou uma garoa fina cobria o quintal e minhas flores ficaram com aquelas gotículas que parece suor na pele.
Saí para caminhar um pouco e te levei comigo – sempre levo – mas hoje, foi especial.
Fui despejando em cada passo, palavras para que o universo ecoasse e levasse até você meu carinho.
Refiz nossas conversas e nossos silêncios – às vezes – e pude constatar mais uma vez o quanto sou abençoada. Sua presença em minha vida me torna melhor.
Cada vez que lembro de você é como se fosse uma continuação de um encontro que já houve antes mesmo de nos encontrarmos. Não queira explicações sobre isso. Não poderia explicar.
A sesnsação que tenho é de você na minha vida desde sempre e é com essa sensação plena de abraço que te envolvo no meu carinho, hoje, mais do que nunca.
Sorvo o chá enquanto penso em Jane Austen, autora que você adora e é com uma frase do livro Razão e sensibilidade que te abraço:
“Seus olhos erravam por aqui, por lá, por toda a parte, maravilhados. Ela viera para ser feliz, e já se sentia feliz..”

Che tu sia felice!
canterò per te la canzone che mi ricorda di te:

“Only you can hear my soul, only you can hear my soul

Luna tu
Quanti sono i canti che rissuonano
Desideri che attraverso i secoli
Han solcato il cielo per raggiungerti

Porto per poeti che non scrivono
E che il loro se non spesso perdono
Tu accogli i sospiri di chi spasima
E regali un sogno ad ogni anima
Luna che mi guardi adesso ascoltami”

baci mille

Mariana Gouveia

*in E Maior – II – Adagio*

in E Maior - II - Adagio

Não devias ausentar-te de mim

deixar-me só em vão de tua presença

Deixar que invada em mim saudade imensa

Que eu ouça a sinfonia em solidão

Ah, se soubesses da saudade que atormenta-me

virias bem depressa e em recompensa

juntos, dançaríamos a canção

Em Adágio em E maior te mostraria

a falta que fizeste todo o dia

em poesia me perdi a te esperar

e tão intensa,e breve e passageira

fui de sonhos e ilusões a tarde inteira

Imaginava-te no meu lugar

Ah, se pudesse, acordaria os poetas

e pediria que me ensinassem as frases certas

para que pudesses logo regressar

Encantos vagos tive eu, olhando a lua

enquanto desejava ser tão tua

como em outras vezes que estive a sonhar

O suor invade o corpo e eu queria

que estivesse aqui com a melodia

e me embalasse na delícia de te amar

Mariana Gouveia

#OUVIR,TORNA-SE NECESSÁRIO#

http://www.youtube.com/watch?v=MHilgSdcP4M

Da delicia de matar a sede

A água que te molha e o desejo de beber.

Meu corpo segue as próprias ideias
como se a mente fosse algo longe e não parte dele.
Refresco a memória dele. Líquidos.
E sem te tocar. Tenho-te em minhas mãos.

Em gostos, tenho o sabor.

Sinto essência, quase.
Desejava-a…como se deseja uma coisa perdida pra sempre.

E meu chamamento a trouxe.

Tudo é tão singular. E único.

Não quero impor-te a minha vontade.
Mas, meu desejo…Ah, esse te faço sorver com minha umidade
como parte do gole da bebida pura.
Da delicia de matar a sede, eu sou tudo junto. A água que te molha e o desejo de beber.
Sou a gota que escorre e derramo em ti.
Deixo-te escorrer em mim.

Mariana Gouveia