Tão pacífica é a fronteira…

das tuas janelas
que receio prosseguir o toque
ferir o mar
e suscitar o assombro
na conquista
da minha sequidão.

Solange Damião.
*imagem: Julie de Waroquier 

Tenho nas mãos o mar

que me ilumina os olhos,
a memória do corpo
a sulcar a água,
da água a navegar-me a pele.

o desejo de ti
a caminhar por mim ontem
como se fosse hoje.

Silvia Chueire
*imagem: Alessio Albi

Arrastão

arrastão

Seria leve e azul
Fossem apenas a seda e o mar
Mas coleciona conchas
Ao andar
E todo búzio que joga
Acerta
Uma nova estadia

Tempo de choco
Espera e nada
De pérola

Passando século
Naufragada
Junta na franja
Do pano
a milésima casa de ostras.

Adriane Garcia
*imagem: Tumblr

É domingo

e o silêncio estende-se pela casa. há muito que não te escrevo. dizer-te que existes ainda nos corredores, nos espelhos.
começo a esquecer-me da tua voz. oiço-te dentro de mim mas não consigo reproduzir a tua voz.

é tão difícil guardar a memória de uma voz

Al Berto
©️ Magdalena Benny