O barco de papel…

ancorado no canto da mesa da cozinha
Um envelope a espera da resposta
A tarde deixando o dia e levando o sol
Para navegar outros mares
Saudades
a alma ultrapassa a porta e vai em busca do oceano
A nado.

Mariana Gouveia
In – Sete Luas
Editora Scenarium Plural
*Imagem: Wallpaper The Best

Anúncios

6 on 6 – Livros

Há aqueles que não podem imaginar o mundo sem pássaros;
Há aqueles que não podem imaginar o mundo sem água;
Ao que me refere, sou incapaz de imaginar um mundo sem livros.
Jorge Luis Borges


Eu, criança ainda
Os olhos voltados para os livros que chegavam até nós através de doações, ou enviados via correio pela minha avó materna. Tive tantos livros em minhas mãos que meu desejo era colocar em palavras tudo que eu sentia.
Minha mãe conseguia arrancar da gente o que estava guardado lá dentro da alma. E foi ali, no interior de Goiás, em meio às capas puídas de Fernando Pessoa que desejei ser escritora.
Os cadernos – às vezes, artesanais, costurados pela minha mãe, feitos de papel de pão – ou alguns novos, que eram tratados como tesouros foram testemunhas das primeiras palavras.

 

 

O tempo foi passando e como junto com o relógio a vida gira e foi ganhando rumos inesperados. Me tornei radialista e as palavras escritas eram lidas em um programa de rádio. O desejo, ali, guardado no peito e os cadernos, um a um, guardados em um baú.


Um dia, recebi um convite tentador através de um comentário no blog – que eu criara para compartilhar as palavras. O blog era nada mais do que um livro virtual e foi ali que Lunna Guedes, editora da Scenarium Plural me fez o delicioso convite para publicar um livro pela Série Exemplos e nasceu ali O Lado de Dentro.

O livro era mais do que eu sonhara a vida inteira. Com a graça e a arte do artesanato e com o carinho estampado em cada página.

 

Junto com O Lado de Dentro vieram participações na Revista Plural e outros projetos coletivos da editora.
Já não era mais um sonho. Já era realidade e minhas palavras ganhavam voos para além do meu lugar.

Com isso ganhei o mundo e Cadeados Abertos – Diário de Quatro Estações e a poesia ganhou as rotinas do dia a dia.

 


E para quem sonhava em escrever um livro, nesse ano nasceu Corredores – Codinome Loucura.  Agora, já são 3 livros. Todos no formato artesanal e com a poesia derramada em cada palavra.

O livro artesanal tem a simbologia de te abraçar em cada costura e o projeto trouxe para minha vida muito mais do que sonhos realizados. Trouxe para minha vida a paixão pelas histórias. As mesmas que encontro nos livros da Scenarium Plural, além de presentear com amigos espetaculares.

Ser Plural dentro dessa singularidade toda me faz mais uma entre os tantos que amam os livros.

 

Mariana Gouveia
Participam desse projeto:
Ana Claudia – Anália Boss – Claudia Leonardi – Fernanda Akemi – Luana de Sousa – Lunna Guedes – Mari de Castro – – Obdúlio Ortega 
Maria Vitória

 

 

Projeto Scenarium 6 Missivas – Outubro

“Era toda errada…Fora feita pelo avesso
Sentia primeiro e só depois via
Era toda trocada…Andava na contramão
Amava antes a alma…Não queria explicação
Era totalmente sem noção
Se jogava em um mar…Sem nem ver a tempestade
Era só emoção…Esqueceram de lhe dar a razão
Tinha suas próprias verdades e nem se
importava se fossem imaginárias ou não
Era o reverso do universo
Somente uma gota…Mas pura imensidão”
(Dina Isserlin)

Carta Outubro.jpg

 

Outubro, 2008

M,

Daqui da minha janela vejo quase o mundo inteiro. Era primavera em algum lugar para além das ruas e ainda nem existia a rua do meio, nem a de cima. Havia ali, um trieiro pelo qual eu avançava em meio às libélulas e as teias de aranha faziam carícias nos meus pés. O riozinho era uma imensidão de desejos e você não sabia que irá ser subversiva. Era apenas a palavra dona de casa dentro de outras imensidões de palavras. Mas lá na frente, você seria conhecedora do futuro. Olharia a borra de café nas xícaras e contaria para as pessoas o segredo delas e nem será preciso ser adivinha.

O mundo se agiganta aos seus olhos e as gotas mostram as estações nos dias em que você conta a solidão. Era ali, ainda, menina e ao mesmo tempo, mulher e lutava pela vida em sua forma gigante de ser.

A vida é esse fio de seda que quase arrebenta quando se estica. Você deve saber que tirando a crise que o mundo enfrenta – e ainda enfrentará daqui a dez anos também – o mundo comemora o primeiro presidente negro da história. A esperança atravessa o mundo e Pequim abraça os campeões olímpicos. Aprendi a ver ouro nas medalhas de Cielo, Maurren e as meninas do vólei. O espírito olímpico é bonito de ver. As histórias nas entrelinhas me causam mais emoção do que a própria prova.

Dercy, Caymmi, Jamelão se foram para sempre e para sempre viverão em quem gostava deles. O universo aponta sabedoria e eu escrevo cartas de amor. Descobri o amor em versos e vesti a primavera de flores.

Dizem que a cura vem a passos lentos, enquanto busco refúgio em colo de pai e irmãos. O rio é um convite dessa viagem no tempo. Embora eu seja resistência em todos os tempos, escrevo na certeza de que você se redescubra dentro da coragem e se sinta livre no grito que querem fazer calar e acredite que nas palavras do passado o futuro renasce, mesmo que seja daqui a dez anos.

Eu,

Projeto Scenarium 6 missivas | Outubro -18
Participam: Lunna Guedes |  Maria Vitória | Adriana Aneli | Obdulio Nunes Ortega

Maratona de Outubro – 6 – Se eu pudesse escolher viver em um livro, qual seria?

A mãe reparou que o menino
gostava mais do vazio
do que do cheio.
Falava que os vazios são maiores
e até infinitos.
Manoel de Barros

 

 

Ah, bambina! Sabe que a vida desenha instantes na vida da gente que fica feito tatuagem a marcar diálogos na pele?
Já imaginou ler um livro e murmurar mesmo sem entender que aquele monte de palavras que compõem as poesias é você?
Minha mãe dizia que ” aquilo que te completa, te deixa inteira” e quando aquele monte de folhas, quase descosturando e sem capa surgiu em minhas mãos em meio a tantos livros enviados pela minha avó materna em meio aos outros com capa me vi ali nas entrelinhas.

Poesias completas de Manoel de Barros. Um homem a evocar a natureza em que eu vivia. Os meninos – irmãos – a disputar corridas com os calangos na estradinha que dava para a represa, as folhas dependuradas em um galho quebrado a parecer o fantasma da história do meu pai e o rio… Ah, o rio, bambina, trazia a transparência em seu leito. Nunca vi nada mais lindo!

Eu via os sapos ainda bebês e as borboletas… Você já sabe que meu encanto por elas começou lá, bem cedinho, na infância…. No livro ele dizia coisas que era eu. Os desenhos das imagens na mente, a fala das folhas e árvores, o riacho dando voz ao monjolo… eu queria viver dentro daquele livro e juro que morava mais dentro dele do que fora.

Era a delicadeza dos poemas concebidos sem pecado e eu temia essa palavra – até então – feito esse calafrio que rouba a voz quando se faz arte – palavra preferida de minha mãe para retratar a danadeza de todos – e era domingo abotoado na frente da segunda quando meu irmão se juntava aos filhos dos vizinhos para jogar a bola no capim, perto do pomar.

Se pudesse escolher seria nesse livro que eu viveria, bambina! Aquele mesmo sem capa que se perdeu nas mudanças de lugares e fazendas,mas que trazia o cheiro de flores do ingazeiro quando se abria as flores. Minha mãe dizia que era invenção minha, essa de sentir cheiro de tudo quando se abria qualquer livro… mas confesso que se fechar os olhos ainda sinto na boca o gosto do ingá a derramar poesia corpo adentro.

Sabe, bambina, encerra – se amanhã essa maratona, mas só por hoje, valeu essa carta sendo livro. Você cabe em mim na liberdade que acolho as borboletas… as mesmas que de algum maneira chegam até meu quintal.

 

Grazie tanto!
Bacio

 

Mariana Gouveia
|Projeto Maratona de Outubro
Participam desse projeto
Ale Helga | Cilene Mansini | Fernanda Akemi | Mari de Castro | Obdúlio Nunes OrtegaLunna Guedes

Maratona de Outubro – 5 – Minhas manias literárias

Quando se viaja sozinho
pelas imagens que perduram
as evocações ganham um modo tão real…
José Tolentino Mendonça

 

Bambina mia,

 

Lembra quando te contei sobre os livros lá da infância que não tinham algumas páginas e que minha mãe nos incentivava a escrever a história? Pois é… virou mania reescrever algumas partes de poemas ou histórias que leio.
Vou traçando as palavras em contracapas de livros, grifando partes que me dizem mais do que o poema todo e muitas vezes viajo naquilo que o autor quis dizer.

Já te contei também que minha mãe dizia que todo poema/texto/história é uma viagem? Embora a frase seja um clichê usada o tempo todo, é a voz de minha mãe que ouço quando pego um livro:
– Senhorita, filha minha, embarque e viaje…
Até hoje tenho chave para esse caminho e mesmo sendo feita de asas eu sigo ainda a mesma estrada que me foi mostrada lá atrás.

Tatuo na alma algumas frases que me tocam e talvez essa seja mesmo uma mania. Volta e meia me pego relembrando coisas lidas na infância-adolescência e é essa é a melhor parte da viagem. Em alguns fatos lembro – me até da página.

Sabe, bambina, é como se eu também tivesse feito parte do texto e o tato nas folhas, assim como quando agora, nessa manhã que se inicia volto na noite de ontem e sigo com você no trem enquanto meu céu é quase uma ostentação de homenagem a você.

Bacio,

 

Mariana Gouveia
|Projeto Maratona de Outubro
Participam desse projeto
Ale Helga | Cilene Mansini | Fernanda Akemi | Mari de Castro | Obdúlio Nunes OrtegaLunna Guedes

Maratona de Outubro – 2 – Como organizo a minha estante?

“Vou guardar tuas cores… Vou te guardar comigo…
Teu sorriso eu vou deixar na estante pra eu ter um dia melhor…”

O Teatro Mágico

 

Bambina mia,

 

Sei que irá abrir teu sorriso mais bonito aqui… A minha estante é Plural em seu estado de graça. Meus livros estão expostos entre a leveza da vida – que faz com meu filho esteja ali, entre os brinquedos dele e com isso, mais perto de mim – e em cada canto da casa onde costumo estar.
Confesso que acho eles tão delicadamente cúmplices um do outro, lado a lado. Folheio todo dia um, como se fosse minha bíblia leio um poema, ou uma capítulo todo entre uma estação e outra.

Mas a minha estante, bambina é itinerante e passeia entre os cômodos da casa.
Posso ler Lua de Papel – ler não, rerereler – na varanda, onde ele vagueia entre o vasinho de violetas brancas e o quintal.
E Vermelho por Dentro faz companhia para o meu vino bianco italiano chardonnay – uma aquisição para dançar ao som de Boccelli e suas palavras – e o copo com a borboleta amparada pelos baldinhos de corações…

Ali, um a um estão sós e ao mesmo tempo fazem companhia um ao outro. A pluralidade tomando conta de cada espaço e o orgulho estampado no rosto quando alguém admira o trabalho.

A minha estante tem o gesto de um Scenarium imenso. De pessoas que escrevem porque escrever faz parte da alma de cada um que está ali, adormecidos sobre o móvel e seus brinquedos de gente grande.

Mas, junto deles, bambina, também estão uma coleção de Fernando Pessoa, Eça de Queiroz e seus Os Maias, Raquel Serejo Martins, Drummond e outros mais.

Tiro o pó, ajeito, mudo eles de lugar e levo sempre um comigo. É como um ritual feito de delicadeza e a cada um dia, o que eu pego me diz exatamente o que preciso saber, enquanto o café fica pronto, e me preparo para viver o dia e o aroma toma conta da casa toda.
E como como diz Sam Savage: “De uma maneira geral, os livros sabem ao cheiro de café.”

Vamos ao dia!

Grazie,
Bacio

Mariana Gouveia
Editora Scenarium Plural
|Projeto Maratona de Outubro
Participam desse projeto
Ale Helga | Cilene Mansini | Fernanda Akemi | Mari de Castro | Obdúlio Nunes OrtegaLunna Guedes

Maratona de Outubro:1 – Como teve inicio a minha vida de leitora?

 

Bambina mia,

 

As perguntas chegam até a mim feitas por você e lá vou eu, em uma infinitude de palavras te responder. Sabe aquele instante que fica vivo na memória e quando alguém pergunta as imagens atravessam a barreira do tempo e te toca como se fosse hoje?

Eu era a quarta entre meus irmãos – somos sete no total – embora depois de anos, meu pai teve mais um filho. Porém, lá, onde tudo começou éramos sete e os livros nos chegavam em forma de doações. Em alguns, faltavam as páginas e era a desculpa que minha mãe usava para  que a gente criasse a continuação.

O livro era usado quando chegou em minhas mãos. Como fazia sempre, minha mãe me colocava em um banquinho em um dos cantos da cozinha e enquanto ela tratava de alguma das refeições o livro ganhava vida dentro de mim. Meu pé de laranja lima tinha a docilidade do pomar logo depois da horta. Por vezes, era ali que eu costumava ler.

Os olhos de minha mãe seguia meus passos para além da beira do rio. Eram variados os exemplares que chegava até nós.

Engraçado como a vida de antes trazia esse delicado traçado. As letras formavam palavras e com elas eu entrava em um mundo além das porteiras.
E assim teve início minha vida de leitora. O amor pelos livros foi só aumentando com o passar do tempo e até hoje, minha vida é feita de livros e palavras.

 

Grazie tanto!

Bacio,

Mariana Gouveia
Editora Scenarium Plural
|Projeto Maratona de Outubro
Participam desse projeto
Ale Helga | Cilene Mansini | Fernanda Akemi | Mari de Castro | Obdúlio Nunes OrtegaLunna Guedes