Projeto Scenarium 6 Missivas – Outubro

“Era toda errada…Fora feita pelo avesso
Sentia primeiro e só depois via
Era toda trocada…Andava na contramão
Amava antes a alma…Não queria explicação
Era totalmente sem noção
Se jogava em um mar…Sem nem ver a tempestade
Era só emoção…Esqueceram de lhe dar a razão
Tinha suas próprias verdades e nem se
importava se fossem imaginárias ou não
Era o reverso do universo
Somente uma gota…Mas pura imensidão”
(Dina Isserlin)

Carta Outubro.jpg

 

Outubro, 2008

M,

Daqui da minha janela vejo quase o mundo inteiro. Era primavera em algum lugar para além das ruas e ainda nem existia a rua do meio, nem a de cima. Havia ali, um trieiro pelo qual eu avançava em meio às libélulas e as teias de aranha faziam carícias nos meus pés. O riozinho era uma imensidão de desejos e você não sabia que irá ser subversiva. Era apenas a palavra dona de casa dentro de outras imensidões de palavras. Mas lá na frente, você seria conhecedora do futuro. Olharia a borra de café nas xícaras e contaria para as pessoas o segredo delas e nem será preciso ser adivinha.

O mundo se agiganta aos seus olhos e as gotas mostram as estações nos dias em que você conta a solidão. Era ali, ainda, menina e ao mesmo tempo, mulher e lutava pela vida em sua forma gigante de ser.

A vida é esse fio de seda que quase arrebenta quando se estica. Você deve saber que tirando a crise que o mundo enfrenta – e ainda enfrentará daqui a dez anos também – o mundo comemora o primeiro presidente negro da história. A esperança atravessa o mundo e Pequim abraça os campeões olímpicos. Aprendi a ver ouro nas medalhas de Cielo, Maurren e as meninas do vólei. O espírito olímpico é bonito de ver. As histórias nas entrelinhas me causam mais emoção do que a própria prova.

Dercy, Caymmi, Jamelão se foram para sempre e para sempre viverão em quem gostava deles. O universo aponta sabedoria e eu escrevo cartas de amor. Descobri o amor em versos e vesti a primavera de flores.

Dizem que a cura vem a passos lentos, enquanto busco refúgio em colo de pai e irmãos. O rio é um convite dessa viagem no tempo. Embora eu seja resistência em todos os tempos, escrevo na certeza de que você se redescubra dentro da coragem e se sinta livre no grito que querem fazer calar e acredite que nas palavras do passado o futuro renasce, mesmo que seja daqui a dez anos.

Eu,

Projeto Scenarium 6 missivas | Outubro -18
Participam: Lunna Guedes |  Maria Vitória | Adriana Aneli | Obdulio Nunes Ortega

Anúncios

Projeto Fotográfico 6 on 6 – Passos

“São os passos que fazem os caminhos”.
Mario Quintana

Luci, faz tempo que eu queria te escrever….

Mas meus dias esteve – ou estão – tão cheios de realidade que as palavras não cabiam dentro do seu mundo. Escrever sobre a realidade, Luci, é quase como rasgar as folhas do caderno quando você tem pouco papel para a caneta trilhar entre as linhas e a gente aproveita cada cantinho em branco para desenvolver escrita. Realidade é o álcool gel de uma UTI, touca e pantufas sem bichinhos engraçados… realidade é o apito estridente de um aparelho que te assusta e te faz tremer feito vara verde. Realidade para além dos dias é a reza para tudo que é místico e acreditar que a vaga venha, que a febre ceda e que o amor minúsculo – tamanho da irmã caçula – vença a luta contra a morte – aquela imagem da foice e uma boca aberta vem à memória e você acha tudo tão engraçado que a fé se torna concreta em tudo que é santo-nossa-senhora-ave-maria…
Hoje tenho que falar de passos e pensei que esse seria um tema ideal para que eu pudesse fugir do trilho do tocável e te alcançar dentro da magia que seu olho me alcança.

Vem comigo?

Já te contei que ando sobre instantes e que quando meus passos tocam terra-chão-grama acontece coisas inimagináveis? Às vezes, até eu mesmo duvido, Luci e juro que esses momentos me levam ao estuque do seu quarto e sua parede quase azul – era isso mesmo? ou seria verde? – e lembro – me de que nessa altura da lembrança você não queria comer – e que te dei asas para além das florestas e dos pajés que reverencio todo dia… não comer era quase um desaforo diante de tanta fome no mundo. A fome atravessa os séculos e as florestas e para ali, dentro da imaginação do meu quintal, não comer é quase um atentado contra o que de mais sagrado que existe. Você tem o que comer? Tem de onde tirar a comida? Tem a sonoridade da alegria de quem encontra a comida, em qualquer lugar que seja?
Ainda bem que isso seja só lembranças, Luci e que ela nos leva sempre para as cartas e palavras.

Acontece que em alguns acontecimentos me transmuto para além do que escrevo e só para comprovar que não é miragem, eu registro o minuto dentro da magia.
Por falar em magia, conheci um cacique tão mágico – que parecia ter surgido de um filme desses da sessão da tarde – e que trazia a mansidão no olhar – a realidade, pelos olhos dele, tem a docilidade da aceitação.

” O que não se pode mudar, aceite… “

Falou na sonoridade do ar condicionado que acontecia entre um gruuu – ou seria vraaaaa?

E meu pensamento viaja para onde não posso estar e nesse momento sou quase rebeldia dentro da fé, Luci, enquanto o olho dele me atinge e leio quase uma floresta inteira e suas densidades. Um dia, Luci, quero te mostrar esse olhar… Você nunca mais vai querer ficar sem comer nessa vida e em todas as outras vidas que tiver – e eu, nunquinha mais, perderei a fé – e tudo será apenas gratidão.

Tem o jeito tão fácil de pai – o cacique – que quase me aninhei nos braços dele, Luci. Tive que me conter, devido a seriedade do encontro. Dava a impressão de que ele era o Samurai de todas as histórias e até da música do Djavan – se bem que nunca entendi direito essa música do Djavan, que pensei no tal verbo inventado sobre djavanear…

Os passos nos levam para cada caminho, que muitas vezes, só o lúdico nos faz fortes para que a caminhada seja fácil.
Lá na rua de cima tem cada instante de rua florida que dou uma volta enorme para não pisar nas flores. Você iria rir e talvez até me convencesse a deitar sobre elas – aposto…

Mas você não faria isso com o quintal “florido de teias de aranhas”…

Isso, eu consegui registrar e não importa se é aqui, logo que abro o portão, depois desses dias frios, de garoa – ou na rua de cima, logo além das porteiras do sítio Altos da Mata, para onde os olhos do meu pai vigia.
A vida, é o aceitar, Luci… tipo presente ou bolo da vizinha que insiste em nos imputar o pecado da cobiça. Vai me dizer que nunca cobiçou o cheiro de bolo que vem pelo vento e que a gente nunca sabe de qual casa vem o tal cheiro?

É um querer tudo e até o que não nos cabe na mão. Se minha mãe estivesse aqui, talvez, o olho fosse o termômetro para a vontade de ser, Luci… e ser é apenas aceite… Aceite dos caminhos que os passos cruzarem…

Os passo fazem parte do caminho… seja no ar, na imaginação ou na terra…

Luci… ah! Chego a suspirar quando me lembro dos pés a beijar a terra e a vida se torna tão gigante nos retratos pendurados nas memórias.
Era Maria, Branca de Neve, era Dolly e logo atrás de tudo aonde a câmara-olhos não alcançaram Manu, brigadeiro a desenhar instantes do para sempre. Devia ter escrito conto de fadas, Luci… igualzinho tu fez com Baunilha e tua Anna e nessa hora imagino tua grandeza dentro do poema do Bukowski…

Já te contei que meus passos me levaram às nuvens, Luci e que lá de cima sua cidade ficou quase que ao toque das minhas mãos? Juro que se tivesse poder de verdade, soprava as dores e tudo viraria apenas histórias para tua Anna.

Eu estive aí, Luci… tão perto de você que em alguns momentos a visualizei no rompante da escada e lá estava seu riso anos 60 e Anna para os passos do abraço.
Corredores me alcançou na graça do amor e resiliência dentro dos dias. Foi pura emoção, Luci. O livro sendo fonte de resiliência e amor.

Enumerei um a um a quem eu daria abraços no ar – porque alguns, abracei de cheiro de perfume e de café – e esse cheiro sempre me levará para a magia que me rodeava como se fosse eu mesma uma personagem das histórias que a vida escreve…

Talvez seja! Vai saber!

Mas a vida, Luci… Ah, a vida? A vida é feita de passos.. Ah, se eu pudesse escrever sobre os passos da vida…

Ainda bem que existe a fotografia pra se fazer entender.

Mariana Gouveia
Projeto 6 on 6 – Editora Scenarium Plural
Participam desse projeto:
Cilene Mansini | Maria Vitoria | | Mari de Castro | Obdulio Nuñes Ortega | Lunna Guedes

174. da geografia das coisas

A renda foi costurada dentro da noite. Os dias de invernos intensos aprofundados na pele e na alma.
Busco o equilíbrio denso dentro da dor. As histórias contadas de um jeito que a saudade bate e fica.
O cheiro do capim molhado de orvalho a invadir os quartos com seus aromas e a lua caminha em um céu coalhado de estrelas.
Imprevisível a cronologia das coisas – misturamos os fatos, as fotos e a época – tudo era dentro do tempo de estar.
As palavras a carregar afagos entre nós… o verbo mudando a direção sempre que uma lembrança nova surgia.
Alguém arrisca um canto e o amor conhece a simplicidade das coisas.

Mariana Gouveia
174. da geografia das coisas

 

Havia resquicios da tarde na manhã.

Havia resquicios da tarde na manhã.

 

O rio acolhe a teia como colo.
A vida acontece ali, onde o olho alcança.
O traçado traz lembranças vividas
e ocorre o pensamento da saudade.
Calculo as horas que faltam.
Logo ali, na curva, mora o horizonte de esperança e é para lá que vou.

Mariana Gouveia
In – Cadeados Abertos – Diário das Quatro Estações
Editora Scenarium Plural
pág. 31

Inquietação

Inquietação
Há um vazio perdido na noite
busco o negro dos olhos pelo quintal

uma nuvem escondeu a lua

e a lágrima não pode cair
e a teia me prende

uma confusão me deprime
desalegrei-me de repente

aquele brilho no rosto era apenas prenúncio de tristeza.

bem que me diziam – rir de manhã é sinal de choro pela tarde
esses ditados populares me atingem.

e a inquietação chama meu nome.

Mariana Gouveia

desenrolo em ti as pérolas…

Desenrolo em ti pérolas
que enfeita tua vida.
O suor que escorre entre teu pescoço e minha mão.

a teia que enlaça minha vida inteira
a umidade que gosto em teu gosto sentir.

é onde me descubro tão tua e sou.

Mariana Gouveia.